Isadora Neumann / Agencia RBS

Os veranistas nem tiveram tempo para comemorar o fim do chocolatão e já se reencontraram com elas. Com o aumento da temperatura do mar, as águas-vivas passaram a aparecer mais, especialmente na quinta-feira (4), de acordo com o capitão Ederson Lunardi, comandante dos guarda-vidas de Capão da Canoa.
Os tentáculos da água-viva são carregados de toxina capaz de provocar queimaduras e ardência. Lunardi destaca que, se atingido, o banhista não deve seguir crenças populares como aplicar urina ou pasta de dente na pele. O recomendado é passar vinagre na área atingida — a pessoa pode pedir ajuda na guarita mais próxima.
Muitos quiosques também já têm garrafas do produto separadas para socorrer seus clientes.
— Ontem começamos a usar bastante (o vinagre). Clareou a água e já apareceram as mãe d’água. Acho que umas 15 crianças vieram aqui com queimaduras — conta Reginaldo Sousa dos Reis, funcionário do Kioske do Di.
Entre segunda e quarta-feira, a Operação Verão já contabilizou 342 casos de queimadura por água-viva no Litoral gaúcho. De 16 a 31 de dezembro, havia registrado apenas 156.
Fui atingido. O que fazer?
1 – Saia da água imediatamente.
2 – Lave abundantemente o local com água do mar. Não utilize água doce.
3 – Banhe a região atingida com vinagre por cerca de dez minutos. Não tente remover os tentáculos esfregando toalhas ou areia
4 – Remova suavemente os tentáculos ainda aderidos com a mão enluvada e com o auxílio de uma pinça. Lave mais uma vez o local com água do mar e vinagre.
5- Ligue para 193/192 se houver chiado no pulmão, dificuldade de respirar, lesões na pele longe do local atingido, desorientação ou inconsciência.
Fonte: Gaúcha ZH