Nesta terça-feira (26), a Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS) autorizou que os municípios gaúchos apliquem a segunda dose de Pfizer em quem tomou a primeira dose de AstraZeneca há mais de oito semanas e que esteja em atraso.

De acordo com a SES, a demanda surgiu em virtude do desabastecimento de vacinas da AstraZeneca registrado em alguns municípios. Para resolver o problema, a pasta se reuniu com representantes das secretarias municipais de saúde e decidiu seguir o processo vacinal dessas pessoas com a Pfizer.

A chefe da divisão de vigilância epidemiológica da SES, Tani Ranieri, ressalta que esse tipo de intercambialidade tem segurança comprovada por evidências científicas. “Estudos em vários países mostram que há uma boa resposta imunológica para essa troca. O importante, agora, é que as pessoas não deixem de completar o esquema com a segunda dose e possam garantir uma maior proteção contra a Covid-19”, afirma.

O presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do RS (Cosems/RS), Maicon Lemos, destaca o apoio da entidade à decisão. “É uma medida que responde aos anseios de muitos municípios. Até agora, 121 cidades já haviam nos relatado a falta de Astrazeneca para a segunda dose da população, mas sabemos que esse número tende a aumentar nos próximos dias”, acrescenta.

A SES já havia encaminhado na segunda-feira (25) ao Ministério da Saúde um ofício solicitando mais 75 mil doses de AstraZeneca. A previsão é que esse lote seja recebido no Estado entre o fim desta semana e o início da próxima. Além disso, ontem, terça-feira (26) a secretaria realizou a distribuição de 450 mil doses de Pfizer a todos os municípios gaúchos.

Com informações da Ascom/SES

Foto de capa: Gustavo Garbino