A mortandade dos peixes que chamou a atenção dos moradores e veranistas dos Balneários Atlântida Sul, Osório, Imbé e Tramandaí teve mais um desfecho. Na última quarta-feira, (21), pescadores, entidades ambientais e governamentais discutiram o crime ambiental provocado por uma embarcação em Janeiro.
O assunto foi tratado em uma Audiência Pública realizada na Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, em Porto Alegre. No triste episódio, o Ibama apurou o descarte de 25 toneladas de peixes ao longo da costa gaúcha, resultado de pesca ilegal.
Mas a apuração da prefeitura de Imbé mostra que a embarcação, através da pesca de arrasto e cerco, que é predatória, teria em torno de 70 toneladas de peixe e fez o descarte de 25 toneladas para não colocar em risco toda a pesca.
De acordo com o chefe de Divisão Técnico Ambiental do Ibama, Rodrigo Dutra, o infrator já foi identificado e será notificado nos próximos dias, com aplicação das multas e apreensão da embarcação, além da suspensão das atividades. A embarcação é de Itajaí, em Santa Catarina, e foi identificada através de trabalho conjunto do Ibama com o Comando Ambiental da Brigada Militar, a prefeitura de Imbé e a Polícia Federal.
 

Fonte: Litoral na Rede