A Secretaria de Saúde de Dom Pedro de Alcântara, por meio da Vigilância Sanitária, realizou na última semana uma força tarefa de combate ao borrachudo. A equipe, formada pelos fiscais Ramon Cândido, Fabio Bernst e Jones Magnus, visitaram os pontos mais propícios de proliferação das larvas do simulídeo em todo o municíoio e aplicaram o BTI – larvicida biológico que combate o inseto.  

Em 15 dias, uma nova aplicação será feita para controlar as larvas. Posteriormente, a aplicação passa a ser realizada uma vez por mês.  

O borrachudo, ao picar, causa reação alérgica na pele, sendo que alguns podem transmitir doenças como a chamada oncocercose (caroços da pele). Ao contrário do mosquito da dengue, o borrachudo não gosta de água parada, e quanto mais sujeira tiver, melhor. As larvas se alimentam de matéria orgânica, por isso, lixo e dejetos de animais são o combustível para o criatório do borrachudo. 

Além da aplicação do larvicida, podem-se tomar outras medidas que ajudam a controlar o borrachudo como, por exemplo, recuperar a mata das margens dos riachos, diminuindo a temperatura do ambiente e mantendo os predadores naturais do inseto.

Não jogar lixo no riacho também ajuda muito no controle dos simulídeos porque, além de pedras e folhas, as larvas gostam de se fixar em sacos plásticos jogados na água. O cultivo de citronela às margens de criadouros também tem sido empregado como controle, pois esta gramínea exala um odor que repele as fêmeas para a ovoposição. 

Fonte: PMDPA