Ponto turístico de Torres, localizado no calçadão da Praia Grande, a Torre Salva Vidas segue sem data de revitalização definida. A edificação, construída em 1953, é o primeiro Torreão de salva vidas do Rio Grande do Sul, sendo considerado pelos munícipes um marco para a cidade de Torres.

As condições do monumento preocupam moradores e turistas que transitam no calçadão. Segundo moradores da região, o local está atualmente pichado, o que indica que mesmo com a contenção instalada em sua base, o acesso é possível e pessoas sobem na Torre, apesar da existência de placa sinalizando a proibição. A estrutura também se encontra visivelmente prejudicada, faltando concreto nos degraus da escada de acesso e em várias partes do monumento.


O assunto vêm sendo tema recorrente na Câmara de Vereadores do município. Através do pedido de providências n° 476/2021, o vereador João Negrini (Rep), solicita ao executivo que seja providenciado o isolamento da parte em baixo da Torre, assim como sugere sua posterior reforma. O mesmo pedido já havia sido feito pela vereadora Carla Daitx (PP), no início do ano.


“O monumento fez parte da nossa história e está ao abandono total. É a única edificação deste tipo que ainda se encontra de pé na orla do Rio Grande do Sul” pontua o vereador João Negrini. Para ele, a revitalização da edificação pode fazer com que a Torre seja explorada turisticamente.


Na manhã desta segunda-feira, 26 de julho, o secretário de Planejamento e Participação Cidadã, Matheus Junges, e o secretário da Cultura e do Esporte, José Mauri Rodrigues, estiveram no local realizando vistoria. Segundo a prefeitura de Torres, a secretaria de Planejamento e Participação Cidadã está confeccionando um laudo estrutural para restauração, mas até o presente momento não há data definida para entrega deste laudo, bem como de início de qualquer revitalização.





Fotos: Prefeitura de Torres