Com informações do G1 e Redação, O Estado de S.Paulo.

Segundo estudos, a vacina da Janssen é altamente eficaz na prevenção de quadros graves e morte em virtude da variante Delta do Coronavírus. Os dados foram divulgados na última sexta-feira (06/08), por um ensaio clínico realizado na África do Sul. Os resultados foram obtidos a partir de testes em quase 480 mil profissionais da saúde, confirmando que a dose única do imunizante da Johnson & Johnson possui boa proteção contra a cepa.

O estudo aponta que a vacina tem eficácia de até 71% contra a hospitalização pela variante Delta, originária da Índia, 67% contra a hospitalização pela variante Beta, e até 96% contra a morte. Os dados ainda precisam de revisão para que possam ser publicados em revistas científicas.

Foto: Itamar Aguiar/Palácio Piratini

Os resultados obtidos com o estudo devem reacender o debate da necessidade de uma dose extra de vacina, como alguns testes indicaram no caso das vacinas da AstraZeneca, CoronaVac e Pfizer (imunizantes estes de duas doses). Outro estudo realizado sugeriu que a dose única da Janssen poderia não ser totalmente eficaz contra a Delta.

O Departamento de Saúde Pública de São Francisco e o Hospital Geral de Trauma Zuckerberg de São Francisco vão oferecer doses de reforço da vacina da Pfizer ou Moderna, para quem havia feito a dose única da Janssen.

A J&J pretende divulgar dados sobre a necessidade e eficácia de duas doses do seu imunizante nos próximos dias.