Com os resultados paralelos Krystian Kymmerson é bicampeão Brasileiro ABRASP

A cidade de Torres recebeu a última e decisiva etapa do circuito ABRASP, com o SURF RS PRO/AM – que tem o financiamento pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Secretaria do Esporte e Lazer – Pró-Esporte RS LIE, lei nº 13.924/2012, através do ICMS que você paga – reunindo lendas do Surf e as novas gerações em um circuito Kids, durante os dias 16, 17, 18 e 19 de dezembro, na praia dos Molhes, em Torres (RS).

Altas ondas marcaram a disputa com características climáticas bem peculiares. Sol, chuva, vento, muito vento, frio, calor, muito sol, e muito Surf de qualidade. Esse poderia ser o resumo do evento, mas quis o destino que outros elementos entrassem em cena. O gaúcho Ricardo Kjellin competia em casa com apoio da torcida, mas não conseguiu avançar nas baterias e viu o capixaba Krystian Kymmerson levar para casa o título de bicampeão Brasileiro de Surf Profissional. Kjellin ficou com a segunda colocação nacional, considerado um feito histórico para os gaúchos.

Ainda na disputa da categoria Profissional, só que da etapa SURF RS PRO/AM, o melhor atleta foi Gustavo Borges, que somou 14,20 pontos em suas duas melhores ondas e garantiu o primeiro lugar no pódio. A segunda colocação ficou com Walley Guimarães ao somar 13,30 pontos. O terceiro colocado foi Krystian Kymmerson com 12,85 pontos, seguido de perto por José Francisco (Fininho) com 11,15 pontos. Com esses resultados, somados aos das etapas anteriores, deixou Robson Gobbato com o título de campeão Gaúcho Profissional 2020.

“Estou muito feliz por voltar até Torres e ver no final de um ano difícil que os resultados vieram, foram positivos. Esse circuito é muito forte, o Gaúcho também, e todos estão de parabéns. Vim do Espírito Santo com o foco de ser campeão Brasileiro, e consegui. O evento estava perfeito, com tudo que o atleta precisa. Um infraestrutura que não se encontra em qualquer lugar, todos aqui no Sul estão de parabéns por realizarem dessa forma”, destacou Krystian Kymmerson.

Já Robson Gobbato parabenizou os demais surfistas e fez um pedido aos empresários. “O nível de surf apresentado aqui foi muito alto, todos estão de parabéns. Quero convidar os empresários para virem conhecer os atletas, conversar e conhecer as oportunidades que podem ter associando suas marcas ao Surf. Temos talentos gigantes, Gustavo Borges, Ricardo Kjellin, Luy Arman, Yasmin Dias, e tantos outros vindo na sequência. Quem sabe se o empresariado se unir, conseguimos ter atletas chegando no circuito mundial?”.

O campeão da etapa, Gustavo Borges, demonstrou ciência que precisa seguir forte para atingir objetivos maiores.

“Estou feliz, os resultados estão aparecendo. Tenho muito para evoluir, para melhorar, e sei que posso ir longe. Agradeço aos parceiros que estão comigo, que acreditam no potencial do Surf brasileiro. Quero seguir representado o meu país, o meu estado, minha cidade e as marcas que acreditam em mim. Obrigado também a todos que vem para a beira da praia para torcer, os que ficam na internet, que acompanham tudo. Surfo por minha família, patrocinadores, amigos e por todos que amam o esporte. Agradeço a quem organizou e a quem acreditou no evento, no surf, vocês estão fazendo a diferença”, finalizou.

Na categoria Open o campeão foi Luiz Henrique com 13,50 pontos. O segundo colocado foi Hedieferson Júnior com 12,35, enquanto o terceiro foi Tiago Braga com 12,00 pontos, e o quarto foi Robson Pinheiro com 11,50.

Ainda no sábado, os integrantes do Projeto Social Surfar, que são crianças e adolescentes carentes, em especial do bairro Guarita, realizaram baterias de apresentação. Todos foram premiados com kits e troféus de participação. A ação busca proporcionar integração entre jovens de diferentes classes econômicas e sociais, mostrando que no esporte todos são bem-vindos. O projeto é desenvolvido por surfistas voluntários, sem nenhum fim lucrativo.

No domingo as disputas foram das categorias de base, com os atletas da Sub-10, Sub-12, Sub-14, Sub-16 e Sub-18. Além dos competidores, embora novos, acostumados no circuito, a novidade foi a volta da categoria Surf Adaptado, que reúne deficientes físicos de diversas classificações.

Na categoria Sub-10 o vencedor foi Lorenzo Souza com 7,75, seguido por Pedro Sommer com 6,95, Clarissa Tasca com 4,65, e Antonio Dessimon com 1,45.

Na categoria Sub-12 o bicho-papão foi Lorenzo Souza com 9,65, deixando Davi Ferreira em segundo com 2,80, Pedro Sommer em terceiro com 2,65, e Antonio Dessimon com 1,50.

Na Sub-14 (Iniciantes) o melhor colocado foi Victor Midon com 13,00 pontos. Rodrigo Lima ficou em segundo (5,25), enquanto Luigi Wengrover ficou em terceiro com 3,55, e Natan Rosa em quarto com 2,65.

Na Sub-16 (Mirim) o primeiro colocado foi João Victor (12,75), o segundo foi Victor Midon com 11,25, o terceiro foi Lucas Lopes com 7,35, e o quarto foi Luigi Wengrover com 2,50.

O melhor Sub-18 (Júnior) foi Kaique Garcia com 11,50 pontos. O segundo foi Micael Dimitry com 9,60, seguido por Gabriel Behn com 7,75, e Pedro Sturza com 6,55 pontos.

Texto: Gabriel de Mello

Fotos: Angelo Demori