Entre o final de agosto e o início de setembro, o projeto de compostagem de resíduos orgânicos e produção de alimentos saudáveis da Escola Estadual de Ensino Fundamental Dom José Baréa, em Três Cachoeiras, poderá ser visto por milhares de pessoas na Expointer 2022. Selecionado pela Secretaria Estadual de Educação junto com outros 14 projetos pedagógicos de escolas da Rede Estadual do Campo, o Compostagem nas Escolas estará no Pavilhão Internacional do Parque Assis Brasil, durante cinco dos dez dias do evento.

Iniciado em julho de 2021, a partir de uma proposta do Centro Ecológico, o projeto tinha como objetivo principal engajar a comunidade escolar no tratamento dos resíduos orgânicos. Também era uma forma de amenizar o empobrecimento das famílias provocado em parte pela pandemia. Mas ao longo do tempo incentivou a retomada de outras iniciativas ambientalmente sustentáveis paradas há dois anos.

“A gente conseguiu revitalizar a horta na estufa. Recuperamos a cisterna, que estava estragada, onde a gente está conseguindo captar a água da chuva para usar na horta. Também foram plantadas diversas mudas de frutíferas, num pomar que a nossa escola também carecia, tanto para produzir frutos como sombra para as crianças no verão”, relata Eliane Pereira Hencke.

Segundo a professora, além da recuperação das estruturas físicas, os espaços ocupados pelo projeto se tornaram laboratórios para diversas práticas educativas com o agrônomo Joaquim da Rosa e o tecnólogo Nelson Bellé, do Centro Ecológico.

Clique no link para o vídeo Compostagem nas Escolashttps://youtu.be/PDJyDUyDPSc

Desde o início, a dupla faz suporte técnico do projeto. Joaquim, que também é agricultor ecologista, vê a compostagem como um tema gerador e multidisciplinar. “A gente vai trabalhando outras coisas. As questões técnicas a gente tenta traduzir de forma mais simples para os estudantes compreenderem”.

Nelson Bellé, que todas as semanas transporta resíduos da cooperativa de consumidores Coopet, para “fazer o projeto acontecer”, reforça que os alunos estão ali aprendendo, utilizando esse conhecimento. “Agora muito mais motivados pela questão da escola ser convidada a demonstrar, apresentar o resultado. Isso vai motivar mais ainda os alunos, professores a fazer a fazer andar”.

Com informações do Centro Ecológico.