O investigado está entre os 10 maiores alvos do estado do Rio Grande do Sul.

Na manhã desta sexta-feira, 2 de julho, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Polícia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Canoas, com apoio do Instituto Geral de Perícias (IGP), realizou a Operação Innocentia, contra a exploração sexual infantil e pedofilia.

O primeiro mandado foi cumprido na cidade de Imbé, na praia de Mariluz. O indivíduo tem 48 anos e trabalha como autônomo. Ao ser questionado pelos policiais, o homem admitiu que possuía o conteúdo ilegal para assistir, mas alegou que não compartilhava, pois sabia que o compartilhamento era crime.O homem foi preso, pois o ato de armazenar material pornográfico com cenas envolvendo crianças também se trata de crime.

Na ação foram cumpridas ordens judiciais nas região metropolitana e litoral norte. Seis pessoas foram presas em flagrante. Foram aproximadamente 4 meses de investigação.

Segundo o diretor da 2ª Delegacia Regional Metropolitana (2ªDPRM Canoas), delegado Regional Mario Souza, são crimes violentíssimos e causadores de prejuízos graves contra as crianças.

As identidades dos suspeitos não foram divulgadas por força da Lei n° 13.869/19, contra o abuso de autoridade. As denúncias para a Brigada Militar podem ser feitas pelo número 190.

Fotos: Divulgação Polícia Civil